26 de ago de 2013

Adaptação à escola


As crianças desde que nascem se deparam com esta imposição, a famosa adaptação. Quando  bebês, tem que se adaptar ao ambiente, as mudanças de clima, ao barulho, a luz...crescem um pouquinho e começam os sucos, as papinhas, e veem com eles as prisões de ventre ou mesmo a frouxidão sem fim.

Tadinhas, mas vocês não são as únicas crianças, nós adultos também temos muito a aprender com essa vida, e com a vinda de vocês nós tivemos muito a evoluir. Obrigada!

Letícia, finalmente começou a ir a escola...e a minha ansiedade se transformou numa dor bem calada.
Na primeira semana Lelê apenas chorava, mas com uns 3 dias ela se acomodava a sala bem rapidinho....Eu achei que o sucesso estava mais próximo do que imaginava.
Na segunda semana ela tirou uma carta da manga. Ao acordar vendo a farda já dizia que não queria ir a escolinha, dava o maior trabalhão para arrumá-la e no caminho ou mesmo ao chegar à escola começaram os vômitos, tudo para que eu a levasse para bem longe de lá...conversando com a psicóloga e com a professora e marido tomei a decisão de deixá-la por lá mesmo depois de vomitar.
Na terceira semana os vômitos se seguiram, não tanto quanto antes e logo ela desistiu, viu que não ia fazer diferença e acabou deixando a prática pra lá.

Choros sem fim e no meu peito aquela dor.
Eu sei que todas as mães passam por isso, se culpam, algumas porque tem que trabalhar e não restou outra escolha,outras, como eu, pensam em desistir, afinal de contas eu posso continuar com ela em casa!

Não adianta, se adiarmos vamos sofrer mais a frente do mesmo jeito, o segredo é conhecer a escola, os seus profissionais e confiar, em Deus, em você, no seu filho(a) e seguir em frente.

Enfim, estamos iniciando a quarta semana e Lelê não chora mais, nem há gritos, apenas olhos molhados, beijo esperançoso pelo meu retorno...e eu? Feliz! Feliz em saber que minha filha está crescendo e aprendendo a lidar com seus sentimentos. Feliz porque sei que ela fará grandes conquistas ainda e saberá que eu estarei sempre ao lado dela.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você poderá também gostar de: